Total de visualizações de página

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Os Fortins de Jaguarão




Nossa apresentação na IIª Feira Binacional do Livro- Jaguarão RS - Brasil
Dia 26 de novembro de 2010.
No palco, eu, Hélio Ramirez (violão e voz), Régis Bardinni (violão, flauta e voz) e Alencar Feijó (cajon)
O Vídeo é do nosso amigo Jorge Passos. Feliz curtição!!!!

 FORTINS DE JAGUARÃO

Letra: Hélio Ramirez
Música: Hélio Ramirez & Régis Bardini

AS ALMAS AINDA ESTÃO LÁ

ENTRE AS MANGUEIRAS DE PEDRAS

NOS BOSQUES DE CORONILHAS

NO SILÊNCIO DOS GALPÕES



HISTÓRIAS DE BENTO GONÇALVES,

APARÍCIO, ARTIGAS... CARLOS BARBOSA

SENZALAS DE AMORES FURTIVOS

SOBRE A LUZ DE LAMPIÕES



DE PEOES E CHINAS SEM NOME

SEM PASSADO... SEM MEMÓRIA

TERRA CONQUISTADA A EITO

ESPADA, BACAMARTE E CANHÃO!



ESTÂNCIA VELHA, SÃO JOÃO...

LÁ NA COSTA DA LAGOA...

SANTA ISABEL, MANGUEIRAS

TELHO, CURRAL DE PEDRAS...



FORTINS. FORTINS, FORTINS

DO MEU JAGUARÃO

SÃO ESTÂNCIAS FORTINS

DO MEU JAGUARÃO..



LÁ NA CURVA DA ESTRADA

ENTRE AS COXILHAS DO MEU PAMPA

HÁ UMA HISTÓRIA – MEMÓRIA –

BUSCANDO SER RESGATADA!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Grupo Americando


"Hay que luchar por los sueños
que no son gracias de Dios
pa que tenga vino y pan
en la mesa de todos"

A letra Americando, de Jorge Passos, já dizia tudo e para o que vinham os 3 gurís de Jaguarão (Plínio, Hélio e Jorge): num momento em que a música gaúcha, dita folclórica, nativista e etc - feita na zona sul do estado-, se espraiava em temas de ranchos, chinas melosas, cavalos e "otras cozitas más" o Grupo Americando enveredou para um trabalho de cunho sócio político. Misturando músicas da America Latina com composições próprias, mulheres, negros, índios, ecologia (que era tida como coisa de comunistas!), as cidades de Jaguarão, Pelotas e Rio Branco (Uruguai) foram cantadas


Capa do "folder" e cartaz do show do Grupo Americando



Eu, Hélio Ramirez, num estudo fotográfico, para a capa do "folder" do Grupo Americando
 
O Grupo Americando ensaiando na minha casa no Laranjal - Pelotas RS. Da Esquerda para direita: Plínio Silveira, Jorge Passos e Hélio Ramirez 

Ensaio  na minha casa no Laranjal - Pelotas RS. Plínio Silveira e Hélio Ramirez

Show na Terra!!! Teatro Esperança numa noite chuvosa e fria, bem típica de nossa Pampa... Lotamos o teatro. Com o  timão( Grêmio Footbol Portoalegrense)  jogando a semi final de nossa primeira Libertadores da América. E nós lá firmes!! Que Coração!!! Da esquerda para direita: Mike Kelle, Jamil Xaud e Augusto Lima (bailarinos) , Hélio Ramirez, o operador de som,  Zé Roberto, também gremista, com um radinho de pilha conectado ao resultado do jogo, Jorge Passos, um sobrinho do Plínio, Plínio e sua esposa - na época- Eliane.

Apresentação na TV Cultura, Porto Alegre, no primeiro plano  a apresentação dos bailarinos Jamil Xaud e Augusto Lima. Ao fundo Jorge Passos.

Apresentação na TV Cultura - Porto Alegre


Hélio Ramirez recebe o carinho de amigos presentes no show do grupo em Jaguarão. A  minha saudosa profª de música Verdina Raffo, o amigo professor de francês e ingles Pino os  bailarinos  Jamil Xaud e  Mike Kelle 

O grande amigo Paulo Aguiar, excelente fotógrafo pelotense, autor da maioria das fotos do Grupo Americando (cartaz, folder, apresentações em Pelotas, Jaguarão e Porto Alegre)

Quem disse que o Thadeu não foi um "Americando"? Aqui ele canta conosco "seu hino": Cerro da Pólvora! 

Plínio Silveira e Hélio Ramirez, no Bar Americando

O SHOW: (parte interna do folder)
1ª Parte:
1- Americando (Letra: Jorge Passos; Música: Plínio Silveira)
    "Americando é um rumo de muitas trilhas, da comunhão das trilhas nasce a comunhão dos homens"
2- Puente Mauá (Letra: Duca Martins Maris; Música: Hélio Ramirez)
3- Cerro da Pólvora (Letra e música: Thadeu Gomes)
4- Contrabandista de frontera (Letra e música: Pancho Vieira)
    "Quem e essa mulher que formou o Continente de São Pedro?
    Quem é essa mulher cantada como utilidade de bailantas, cisterna imunda onde o macho se obriga a saciar a sede? Quem é esse rosto que cobra justiça?"
5- Cristina, a louca das ervas (Letra e música: Hélio Ramirez)
6- Maria, Charqueadas e Fronteiras (Letra e música: Hélio Ramirez)
7- China Martina (Letra e música: Plínio Silveira e Hélio Ramirez
8- Aun'que nadie quiera, quiero (Letra e música: Ruben Leña)

2ª Parte
1- Negrito Americano (Letra e música: Grupo Americando)
   Coreografia
2- El cantar tiene sentido (Folclore Venezuelano)
3- Milonga canto e pensamento (Letra e música: Hélio Ramirez)
4- Por si vuelvo (Letra e música: Jorge do Prado)
5- Filhos da Terra (Letra e música: Plínio Silveira)
6- Tá llorando (Letra e música: José Luiz Guerra)
7- Pais  (Letra e música: Piero-José)
8 - Migrante (Letra e música: Plínio Silveira)
9 - Americando

Hélio Ramirez - Violão, charango e vocal
Plínio Silveira - Violão e vocal
Jorge Passos -  Bombo lleguero - bongo e vocal

Na contracapa do "folder" tinham os seguintes dizeres:

Homenagem
"Hay un río que nos une
Un puente que nos separa"
    Duca Martin Maris

Agradecimentos
Agradecemos a todos aqueles que de uma forma ou de outra cooperaram para a realização deste espetáculo.

Ficha Técnica
Produção/Divulgação: Lóri Nelson
Iluminação: Paulo Aguiar
Cenografia/ Figurino: Augusto Lima
Som: Zé Roberto
Fotografia: Paulo Aguiar
Roteiro Musical/textos: Sérgio Christino
Coreografia: Criação Coletiva
Bailarinos: Mike Kelle
                Jamil Xaud
                Augusto Lima

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

No Túnel do Tempo 2ª Parte


Antes de rumarmos para Pelotas, cheios de sonhos, dúvidas e histórias, resolvemos fazer teatro. Como nunca fui bom ator me sobrou fazer as músicas da mesma... Se foi apresentada a peça? Não nunca!!! Nem me lembro do nome da mesma, só sei que falava de opressão... Coisa do tempo...




Ensaio: Ladimor Nunes, Bia, Sérgio Christino, Margô

Já em Pelotas lançando sementes da música latinoamericana. Da esquerda para direita: Hélio Ramirez, Thadeu Gomes, Dulce, Sérgio Christino e Mírian Fernandes

Thadeu Gomes, Dulce, Sérgio e Mírian

Sérgio Christino declamando Borges, tendo ao fundo Thadeu Gomes, Dulce e Mírian 

Hélio Ramirez (com charango), Thadeu Gomes, Dulce e Sérgio

Thadeu Gomes, Dulce, Sérgio e Mírian Fernandes

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Homenagem Póstuma em portunhol


Carlitos Nobles, para mim, ainda é uma grande pessoa. Partiu antes do tempo!

Essa foto que eu fiz dele, foi minutos antes de sua Murga sair para alegrar "los carnavales de Rio Branco". Tinhamos tomado bastante vinho Yrurtia, conversado coisas banais, projetos, sonhos e por ai a fora...


Pequena homenagem a um amigo em portunhol

"La murga" pícara

Chora

Os tamborís, os cara pintadas..
Marcha camión...

"Todo quietito"

Se fué el murguista

Ahora Carlos és macachines

libre, a los embalos del viento

de nuestra Pampa

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Luz Andaluz

Luz Andaluz, letra de M. César e música minha, foi gravada na teatro do Colégio Pelotense, Pelotas, RS, Brasil onde me apresentei no show Trabalhadores sem Fronteiras organizado pelo SIMP - Sindicato dos Municipários de Pelotas. Outros colegas latinoamericanos estavam lá mostrando seus talentos: Demétrio Xavier, Maria Conceição (Brasil), Clave Sur (Chile, Peru, Uruguai e Argentina). O evento foi no dia 14 de setembro de 2008.
Tenho o acompanhamento dos seguintes músicos:
No violão: Cláudio Vieira
Sax: Sebastian Molina
Vamos a letra:

LUZ ANDALUZ

Música: Hélio Ramirez

Letra: Martim César

O PAMPA DELIRA NOS VERSOS DE BORGES

ONDE O TEMPO CIRCULA E O QUE FOI VOLTARÁ

ARTIGAS TRAÍDO CAVALGA AO EXÍLIO

E O BRILHO DE HALLEY SE FAZ LUA NO OLHAR

A CARRETA QUE CRUZA UMA ESTRADA SEM FIM

VÊ O PRIMEIRO AVIÃO NAVEGANDO NO CÉU

UM VISIONÁRIO CONSTRÓI SEU CASTELO NO CAMPO

E NERUDA POVOA DE MAGIA O PAPEL

QUINTANA CAMINHA PELAS RUAS DE UM PORTO

E O GUAÍBA ETERNIZA MAIS UM PÔR-DE-SOL

ATAHUALPA PROFESSA SEU SILÊNCIO PROFUNDO

NOS BARES DO MUNDO ELIS REGINA SOLTA SUA VOZ

GARIBALDI DESCOBRE A CORAGEM DE ANITA

E NAS MISSÕES JESUÍTAS BATE UM SINO OUTRA VEZ

UMA RÁDIO ANUNCIA QUE GARDEL JÁ PARTIU

MAS SEU QUADRO SORRI DESDE “UM VIEJO ALMACEN”

LUZ ANDA LUZ

ESTRELA CADENTE BRILHANDO PRÁ SEMPRE

NAS NOITES DO SUL





video

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Fortins de Jaguarão

Vista, do lado de fora, das ameias*

A religiosidade. Símbolo da pomba do Espírito Santo na cumeeira da casa

Estância Fortim do casal João Carlos e Iaraci de Avila
Estância Fortim do casal João Carlos e Iaraci de Avila
Estância Fortim do casal João Carlos e Iaraci de Avila
Estância Fortim do casal João Carlos e Iaraci de Avila


FORTINS DE JAGUARÃO

Letra & música: Hélio Ramirez

AS ALMAS AINDA ESTÃO LÁ

ENTRE AS MANGUEIRAS DE PEDRAS

NOS BOSQUES DE CORONILHAS

NO SILÊNCIO DOS GALPÕES

HISTÓRIAS DE BENTO GONÇALVES,

APARÍCIO, ARTIGAS... CARLOS BARBOSA

SENZALAS DE AMORES FURTIVOS

SOBRE A LUZ DE LAMPIÕES

DE PEOES E CHINAS SEM NOME

SEM PASSADO... SEM MEMÓRIA

TERRA CONQUISTADA A EITO

ESPADA, BACAMARTE E CANHÃO!

ESTÂNCIA VELHA, SÃO JOÃO...

LÁ NA COSTA DA LAGOA...

SANTA ISABEL, MANGUEIRAS

TELHO, CURRAL DE PEDRAS...

FORTINS. FORTINS, FORTINS

DO MEU JAGUARÃO

SÃO ESTÂNCIAS FORTINS

DO MEU JAGUARÃO..

LÁ NA CURVA DA ESTRADA

ENTRE AS COXILHAS DO MEU PAMPA

HÁ UMA HISTÓRIA – MEMÓRIA –

BUSCANDO SER RESGATADA!


Coloco aqui a letra de uma das mais recentes músicas minha. O tema: as estâncias fortificadas de Jaguarão. Eu, e meus colegas de história, o prof. Carlos Rizzon da Unipampa e a Andréia, mestranda em História pela UFPEL, estamos buscando dados para um futuro trabalho.O grupo conta também com a presença e ajuda, do sempre cativante escultor Cléber Carvalho O tema é fascinante!

* A palavra ameia vem do latim= mina(s) que refere-se em arquitetura militar, as aberturas nos castelos de onde seus defensores visavam os inimigos.